quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Vereadores terão aumento de 48% na verba de gabinete


Dezembro, no apagar das luzes dos trabalhos legislativos, o “momento ideal” para reajustes de salários. Foi o que fez a Câmara de Juiz de Fora, aumentou em 48% os recursos destinados ao reembolso das despesas com os mandatos dos vereadores, a chamada verba de gabinete. Saltando dos atuais R$ 5.382,37, cada um dos 19 vereadores terá à sua disposição, a partir de 1º de janeiro de 2013, R$ 8 mil por mês para custear gastos com combustível, telefone e correspondência. Além disso, eles terão vencimentos mensais de R$ 15.031,76, com direito a benefícios equivalentes a 14º e 15º salários, e R$ 10.414,92 para a contratação de até sete assessores. O reajuste da verba de gabinete como ato derradeiro da Câmara Municipal encerra a difícil relação da atual legislatura com as propostas de moralização dos gastos do Legislativo. Todas as iniciativas nesse sentido foram recusadas pela maioria dos atuais vereadores, mesmo grupo que se negou a aprovar qualquer tipo de perda de benefícios, mesmo após determinações judiciais e questionamentos do Ministério Público. *Porque vereador tem que ter 14º e 15º salários ???

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Roger Agnelli, ex-Vale, é eleito o 4º melhor CEO do mundo

 
 
O ex-presidente da Vale, Roger Agnelli foi escolhido pela “Harvard Business Review” e o Insead como o quarto CEO com melhor desempenho no mundo. Ele é o único brasileiro presente no ranking dos dez melhores presidentes de empresas, encabeçado pelo ex-CEO da Apple Steve Jobs.
Em segundo lugar está o presidente da Amazon, Jeffrey Bezos, seguido pelo ex-CEO da Samsung, Yun Jong-Yong. Outros nove brasileiros fazem parte do top 100. O ex-CEO da Embraer Maurício Novis Botelho ficou em 11º lugar no mundo e na segunda posição quando analisada apenas a América Latina. Nesse caso, Agnelli lidera a lista.
O ranking usa dados como o aumento no valor de mercado da empresa durante a presidência dos executivos e o retorno aos acionistas em comparação com outras companhias no mesmo país ou na mesma indústria, além de indicativos de desempenho como vendas, lucro ou índice de inovação. Esta é a segunda edição do estudo, produzido por professores das escolas de negócio de Berkeley e do Insead e publicado pela “Harvard Business Review”. Neste ano, o estudo inclui mais CEOs – de quase dois mil em 2010 para 3.143 – e buscou empresas em mais países.
O estudo busca analisar todo o tempo passado por um presidente no comando da empresa, o que explica que muitos dos nomes sejam de profissionais que já foram substituídos. Apesar de já se ter passado mais de um ano da morte de Steve Jobs, por exemplo, os autores da pesquisa dizem que números alcançados pela Apple durante a presidência de Jobs "devem seguir imbatíveis por um longo tempo". O estudo usa dados até 2010, para melhor avaliação dos impactos da presidência do executivo na empresa. Por essa razão, Tim Cook, que substituiu Jobs em 2011, não foi incluído na amostra.
Os outros nomes brasileiros na lista incluem Renato Alves Vale, presidente da CCR, em 24º lugar, Djalma Bastos de Morais, da Cemig, em 26º, e o presidente da Tractebel, Manoel Arlindo Zaroni Torres, em 29º. No geral, os presidentes brasileiros se saíram bem no estudo. Apesar de serem apenas 4,5% da amostra geral, formam 9% do top 100. Em comparação, os CEOs chineses foram 17% dos presidentes analisados, mas apenas três executivos entraram no ranking final dos 100 melhores.
 
Confira o top 10 e a posição de todos os brasileiros:
 
Click na imagem para ver ampliado

domingo, 23 de dezembro de 2012

Mais uma mulher para o 1º Escalão da PJF


Não ficarei  surpreso se o prefeito Bruno Siqueira anunciar amanhã o nome de mais uma mulher para o 1º Escalão da Prefeitura de Juiz de Fora (PJF), mais precisamente para a Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. Tudo caminha para essa nomeação, vamos aguardar.

sábado, 22 de dezembro de 2012

Alvaro Garnero convida para sunset party na Isla Privilège


O último sábado de 2012 esbanja atitude. Um dos mais estilosos e renomados dining clubs do Brasil assina a sunset party da badalada Isla Privilège. Conhecido por apresentar tendências, o Café de La Musique, do empresário e apresentador Alvaro Garnero, reúne conceitos de refinamento gastronômico, moda e design, boa música e formadores de opinião. O francês Tito tem conquistado o cenário Hype da elite mundial. DJ versátil com um som vibrante e dinâmico, ele é sempre uma das escolhas para luxuosas festas pelo mundo. Uma festa de personalidade!
 

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

A Revolta de Atlas, uma lição atual

A Revolta de Atlas é o título de um excelente livro escrito em 1957 por Ayn Rand, escritora russa naturalizada americana. Trata-se de um romance filosófico, em que a autora cria uma história que se passa nos EUA, governado por um estado opressor, que cerceia a livre iniciativa dos cidadãos e impõe suas decisões por meio de decretos e leis arbitrárias. Criam-se várias instâncias burocráticas que passam então a intervir diretamente na economia, decidindo sobre alocação de recursos com uma ótica de distribuição dos mais ricos para os mais pobres. Por trás desse suposto objetivo nobre, esconde-se uma burocracia que acaba se beneficiando do poder e tomando as decisões de modo a favorecer interesses pessoais e dos seus apaniguados políticos. Os cidadãos mais capazes, empreendedores, cientistas, construtores são levados a renunciar à suas atividades e deixar o país em busca de um lugar onde impere a meritocracia e o retorno para "cada um segundo a sua capacidade" e não para "cada um segundo a sua necessidade".

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

ESCÂNDALO BILIONÁRIO NA PETROBRAS

ESCÂNDALO BILIONÁRIO NA PETROBRAS – Resta, agora, saber se, ao fim da apuração, alguém vai para a cadeia! Ou: Quem privatizou a Petrobras mesmo??? impressionante reportagem de Malu Gaspar na VEJA desta semana. Prestem atenção!

1: Em janeiro de 2005, a empresa belga Astra Oil comprou uma refinaria americana chamada Pasadena Refining System Inc. por irrisórios US$ 42,5 milhões. Por que tão barata?...
Porque era considerada ultrapassada e pequena para os padrões americanos.

2: ATENÇÃO PARA A MÁGICA – No ano seguinte, com aquele mico na mão, os belgas encontraram pela frente a generosidade brasileira e venderam 50% das ações para a Petrobras. Sabem por quanto? Por US$ 360 milhões! Vocês entenderam direitinho: aquilo que os belgas haviam comprado por US$ 22,5 milhões (a metade da refinaria velha) foi repassado aos “brasileiros bonzinhos” por US$ 360 milhões. 1500% de valorização em um aninho. A Astra sabia que não é todo dia que se encontram brasileiros tão generosos pela frente e comemorou: “Foi um triunfo financeiro acima de qualquer expectativa razoável”.

3 – Um dado importante: o homem dos belgas que negociou com a Petrobras é Alberto Feilhaber, um brasileiro. Que bom! Mais do que isso: ele havia sido funcionário da Petrobras por 20 anos e se transferiu para o escritório da Astra nos EUA. Quem preparou o papelório para o negócio foi Nestor Cerveró, à frente da área internacional da Petrobras. Veja viu a documentação. Fica evidente o objetivo de privilegiar os belgas em detrimento dos interesses brasileiros. Cerveró é agora diretor financeiro da BR Distribuidora.

Calma! O escândalo mal começou
Se você acha que o que aconteceu até agora já dá cadeia, é porque ainda não sabe do resto.

4 – A Pasadena Refining System Inc., cuja metade a Petrobras comprou dos belgas a preço de ouro, vejam vocês!, não tinha capacidade para refinar o petróleo brasileiro, considerado pesado. Para tanto, seria preciso um investimento de mais US$ 1,5 bilhão! Belgas e brasileiros dividiriam a conta, a menos que…

5 – … a menos que se desentendessem! Nesse caso, a Petrobras se comprometia a comprar a metade dos belgas — aos quais havia prometido uma remuneração de 6,9% ao ano, mesmo em um cenário de prejuízo!!!

6 – E não é que o desentendimento aconteceu??? Sem acordo, os belgas decidiram executar o contrato e pediram pela sua parte, prestem atenção, outros US$ 700 milhões. Ulalá! Isso foi em 2008. Lembrem-se que a estrovenga inteira lhes havia custado apenas US$ 45 milhões! Já haviam passado metade do mico adiante por US$ 360 milhões e pediam mais US$ 700 milhões pela outra. Não é todo dia que aparecem ou otários ou malandros, certo?

7 – É aí que entra a então ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, então presidente do Conselho de Administração da Petrobras. Ela acusou o absurdo da operação e deu uma esculhambada em Gabrielli numa reunião. DEPOIS NUNCA MAIS TOCOU NO ASSUNTO.

8 – A Petrobras se negou a pagar, e os belgas foram à Justiça americana, que leva a sério a máxima do “pacta sunt servanda”. Execute-se o contrato. A Petrobras teve de pagar, sim, em junho deste ano, não mais US$ 700 milhões, mas US$ 839 milhões!!!

9 – Depois de tomar na cabeça, a Petrobras decidiu se livrar de uma refinaria velha, que, ademais, não serve para processar o petróleo brasileiro. Foi ao mercado. Recebeu uma única proposta, da multinacional americana Valero. O grupo topa pagar pela sucata toda US$ 180 milhões.

10 – Isto mesmo: a Petrobras comprou metade da Pasadena em 2006 por US$ 365 milhões; foi obrigada pela Justiça a ficar com a outra metade por US$ 839 milhões e, agora, se quiser se livrar do prejuízo operacional continuado, terá de se contentar com US$ 180 milhões. Trata-se de um dos milagres da gestão Gabrielli: como transformar US$ 1,199 bilhão em US$ 180 milhões; como reduzir um investimento à sua (quase) sétima parte.

11 – Graça Foster, a atual presidente, não sabe o que fazer. Se realizar o negócio, e só tem uma proposta, terá de incorporar um espeto de mais de US$ 1 bilhão.

12 – Diz o procurador do TCU Marinus Marsico: “Tudo indica que a Petrobras fez concessões atípicas à Astra. Isso aconteceu em pleno ano eleitoral”.

13 – Dilma, reitero, botou Gabrielli pra correr. Mas nunca mais tocou no assunto.
 
Leram o que vai acima? Agora respondam: quem privatizou a Petrobras? E noto, meus caros: empresas privadas não são tratadas desse modo porque seus donos ou acionistas não permitem. A Petrobras, como fica claro, foi privatizada, sim, mas por um partido. Por isso, foi tratada como se fosse terra de ninguém.
 
 
Por Reinaldo Azevedo

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

TEFLON X ESPONJA DE AÇO


 
Desde que começaram pipocar os escândalos no governo petista o cumpanheiro maior tem se esquivado com grande competência de acusações que o envolve nas maldades e aloprações de seus liderados. Nunca sabe de nada, se diz traído (sem dizer por quem), reconhece que tanto o governo como o seu partido têm que pedir desculpas à nação, mas, no final, nada de desculpas e, sim, aleivosias contra uma mídia comprometida em servir os interesses de seus adversários políticos e ideológicos. Até por isso, foi cognominado de TEFLON, aquele produto químico que, aplicado em panelas domésticas, evita que nelas se grudem restos de comida e sujeiras de todos os tipos.  Mas – e tudo tem o seu mas – se nos objetos  protegidos pelo teflon usar-se na sua limpeza uma esponja de aço, a vaca vai pro brejo. O teflon vai sendo removido deixando-os vulneráveis, como os demais.
   Voltando ao nosso cumpanheiro teflon, aconteceu de uma esponja de aço, marca Rosemary, andar roçando e se esfregando nele durante muitos anos o que o tornou um desprotegido como os demais mortais. O estrago causado pela atuação desavisada da esponja intrometida já começa a mudar o rumo da história. Já tem sujeira grudando nele!  

 
 
  

PRIVILÈGE O MELHOR CLUB DO BRASIL


O PRIVILÈGE recebeu ontem o título de MELHOR CLUB DO BRASIL pelo COOL AWARDS 2012.
 

click na foto para ver ampliado

 
VAMOS CELEBRAR.... Esse premio é de Todos Nós... amantes do Mundo Privilège.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Má gestão e negligência


O Brasil está ficando para trás em relação aos seus pares do G-5 da América Latina (além do Brasil, México, Chile, Colômbia e Peru). No biênio 2011-2012, enquanto o Brasil cresce a uma taxa média em torno de 2% ao ano, o Chile chega a 5,1%, a Colômbia, 5,3%, o México, 3,8%, e o Peru, que vem em longa trajetória de crescimento elevado, 6,2%. A taxa da América Latina como um todo será de 3,8%, resultado nada "bombástico", mas, mesmo assim, quase o dobro da taxa brasileira. O crescimento baseado na expansão do consumo está esgotado, e o Brasil precisa abrir sua economia e investir na expansão da oferta. O resultado final é o mesmo: apesar de maior, o Brasil é mais pobre, mais ignorante e mais inflacionário que o resto da América Latina, e a diferença vai continuar aumentando. Desse jeito, estaremos numa mega-maxi-enrascada quando as consequências econômicas da Era da Informação se fizerem sentir plenamente. Intervencionismo estatal ao extremo, carga tributária inadequada, burocracia e cultura corruptiva. Má gestão e negligência na educação. Aguardem os próximos capítulos.
 

domingo, 9 de dezembro de 2012

A República da Vassoura, de Erenice a Rosemary


Por Guilherme Fiuza *
O Brasil que aprova Dilma Rousseff quis esquecer Erenice Guerra. Quis esquecer a pessoa que Dilma preparou para comandar o seu governo – e que caiu antes da hora, ao transformar o Ministério da Casa Civil em bazar de interesses particulares. O Brasil quis esquecer que Erenice era braço direito de Dilma, ou mais que isso, era o estilo Dilma de administração pública. Mas de nada adiantou o esquecimento, porque o espírito está em Dilma – e se não é Erenice, é Rosemary.
Chega a ser patético o sobressalto dos brasileiros com o escândalo na representação da Presidência da República em São Paulo. O gigante adormecido, decididamente, não presta atenção no filme. Rosemary Noronha, chefe de gabinete de Dilma na capital paulista, protegida da presidente, de Lula e de Dirceu, é apanhada com a boca na botija. O que fazia Rosemary? Exatamente o mesmo que Erenice, e também que Dirceu e mensaleiros associados: tráfico de influência. Uso do palácio para a montagem de negócios privados.
Mas a ficha ainda não caiu. O público continua meio confuso, já querendo aplaudir a presidente pela demissão da delinquente. Chegará o dia em que Dilma demitirá solenemente a si mesma, e chegará aos 100% de aprovação popular.
Lula criou a representação da Presidência em São Paulo, e Dilma, então ministra-chefe da Casa Civil, nomeou Rosemary como chefe de gabinete. Eleita presidente, Dilma manteve Rosemary no cargo. Alto zelo com a titular de um gabinete que, segundo o líder do governo no Senado, Eduardo Braga, “não é usado”. Por que a proteção por tantos anos a uma funcionária de uma repartição que não serve para nada?
Aí está o engano. O tal gabinete era muito útil. Ali se fechavam excelentes negócios particulares. A venda de pareceres das agências reguladoras para empresários, por exemplo, ampliou a função desses órgãos técnicos. Como se sabe, eles foram criados no governo Fernando Henrique para acabar com a interferência política dos ministérios nas decisões sobre infra-estrutura. No governo Lula, as agências se tornaram importantíssimas para abrigar companheiros e seus afilhados. Ou seja: criadas para acabar com a politicagem, elas se tornaram a própria politicagem. Continuaram seguindo estritamente critérios técnicos – a técnica do cabide.
A venda de pareceres – R$ 300 mil um laudo da Agência Nacional de Aviação Civil – tornou esses órgãos técnicos ainda mais lucrativos. Por coincidência, Erenice também intermediava bons negócios com a Anac, onde seu filho trabalhara. A filha de Rosemary também estava empregada nessa agência, dirigida por um comparsa da chefe de gabinete da Presidência, segundo a Polícia Federal. Dilma está demitindo todo mundo, horrorizada. Ela nem podia imaginar quantas maldades essa turma andava fazendo. É bem verdade que Rosemary falava quase diariamente com Lula. Mas Dilma nem se lembra direito quem é Lula.
Não se lembra que nomeou Rosemary, nem que a manteve no cargo, assim como o Brasil não se lembra de Erenice. A memória dos brasileiros só alcança o momento em que Dilma resolveu extinguir a representação da Presidência em São Paulo. Afinal, ela não servia para nada mesmo. Quase nada.
No embalo, a faxineira poderia extinguir também a Advocacia-Geral da União, cujo sub-chefe está entre os suspeitos no caso Rosemary. Quem sabe, Dilma não devesse extinguir também o Ministério do Desenvolvimento, cuja principal finalidade hoje é abrigar Fernando Pimentel, o consultor fantasma? Pimentel arrecadou R$ 2 milhões por seus belos olhos de amigo da presidente, e estava em reuniões intermediadas por Rosemary no gabinete fantasma. A única coisa palpável entre tantos fantasmas é o lucro privado dos guerrilheiros estatais.
A demissão do diretor da Anac, flagrado no esquema de Rosemary, mostra como o governo Dilma está preparando bem os aeroportos para a Copa do Mundo, daqui a um ano e meio. Pode-se imaginar a festa que foram as concessões para as empresas que administrarão o setor. Mas Dilma não tem nada com isso.
De Erenice a Rosemary, o governo do PT é repleto de parasitas por um acidente natural, uma espécie de furacão Sandy do fisiologismo. A República só não desmorona porque o Brasil tem Dilma, vassoura, pano de chão e memória de protozoário.
 * Guilherme Fiuza é jornalista e autor de vários livros, entre eles “Meu Nome não é Johnny”, adaptado para o cinema. Neste blog, trata de grandes temas da atualidade, com informação e muita opinião principalmente sobre política.

sábado, 8 de dezembro de 2012

O Triunfo dos Imbecis


Não nos deve surpreender que, a maior parte das vezes, os imbecis triunfem mais no mundo do que os grandes talentos. Enquanto estes têm por vezes de lutar contra si próprios e, como se isso não bastasse, contra todos os medíocres que detestam toda e qualquer forma de superioridade, o imbecil, onde quer que vá, encontra-se entre os seus pares, entre companheiros e irmãos e é, por espírito de corpo instintivo, ajudado e protegido. O estúpido só profere pensamentos vulgares de forma comum, pelo que é imediatamente entendido e aprovado por todos, ao passo que o génio tem o vício terrível de se contrapor às opiniões dominantes e querer subverter, juntamente com o pensamento, a vida da maioria dos outros.
Isto explica por que as obras escritas e realizadas pelos imbecis são tão abundante e solicitamente louvadas - os juízes são, quase na totalidade, do mesmo nível e dos mesmos gostos, pelo que aprovam com entusiasmo as ideias e paixões medíocres, expressas por alguém um pouco menos medíocre do que eles.
Este favor quase universal que acolhe os frutos da imbecilidade instruída e temerária aumenta a sua já copiosa felicidade. A obra do grande, ao invés, só pode ser entendida e admirada pelos seus pares, que são, em todas as gerações, muito poucos, e apenas com o tempo esses poucos conseguem impô-la à apreciação idiota e ovina da maioria. A maior vitória dos néscios consiste em obrigar, com certa frequência, os sábios a atuar e falar deles, quer para levar uma vida mais calma, quer para a salvar nos dias da epidemia aguda da loucura universal.

Giovanni Papini, in 'Relatório Sobre os Homens'

Esse cara sou eu...


terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Bomba! Como Rosemary entrou com 25 milhões de euros em Portugal

Transcrito do BLOG do deputado Garotinho

Uma montanha de euros entrou em Portugal na mala diplomática de Rosemary Noronha

Na nota anterior dei a pista sobre a existência de uma conta na cidade do Porto (Portugal), na agência central do Banco Espírito Santo, onde foram depositados no 25 milhões de euros. Imediatamente comecei a receber muitas ligações de jornalistas pedindo mais informações a respeito do assunto. Recorri à minha fonte que me deu mais detalhes esclarecedores de como tudo teria ocorrido. Vocês vão cair para trás.

Como já foi tornado público, Rosemary era portadora de passaporte diplomático, mas o que não foi revelado é que ela também era portadora autorização para transportar mala diplomática, livre de inspeção em qualquer alfândega do mundo, de acordo com a Convenção de Viena. Para quem não sabe esclareço que o termo "mala diplomática" não se refere específicamente a uma mala, pode ser um caixote ou outro volume.

Segundo a informação que recebi, Rosemary acompanhou Lula numa viagem a Portugal. Ao desembarcar foi obrigada a informar se a mala diplomática continha valores em espécie, o que é obrigatório pela legislação da Zona do Euro, mesmo que o volume não possa ser aberto.

Pasmem, Rose declarou então que havia na mala diplomática 25 milhões de euros. Ao ouvir o montante que estava na mala diplomática, por medida de segurança, as autoridades alfandegárias portuguesas resolveram sugerir que ela contratasse um carro-forte para o transporte.

A requisição do carro-forte está na declaração de desembarque da passageira Rosemary Noronha, e a quantia em dinheiro transportada em solo português registrada na alfândega da cidade do Porto, que exige uma declaração de bagagem de acordo com as leis internacionais. Está tudo nos arquivos da alfândega do Porto.

A agência central do Banco Espírito Santo na cidade do Porto já foi sondada sobre o assunto, mas a lei de sigilo bancário impede que seja dada qualquer informação. Porém a empresa que presta serviço de carros para transporte de valores também exige o pagamento por parte do depositário de um seguro de valores, devidamente identificado o beneficiário e o responsável pelo transporte do dinheiro.

Na apólice do seguro feito no Porto está escrito: "Responsável pelo transporte: Rosemary Noronha". E o beneficiário, o felizardo dono dos 25 milhões de euros, alguém imagina quem é? Será que ele não sabia? A coisa foi tão primária que até eu fico em dúvida se é possível tanta burrice.

Esses documentos estão arquivados na alfândega do aeroporto internacional Francisco Sá Carneiro, na cidade do Porto. O dinheiro está protegido pelo sigilo bancário, mas os demais documentos não são bancários, logo não estão sujeitos a sigilo. A apólice para transportar o dinheiro para o Banco Espírito Santo é pública, e basta que as autoridades do Ministério Público ou da Polícia Federal solicitem às autoridades portuguesas.

Este fato gravíssimo já é do conhecimento da alta cúpula do governo federal em Brasília, inclusive do ministro da Justiça. Agora as providências só precisam ser adotadas. É uma bomba de muitos megatons, que faz o Mensalão parecer bombinha de festa junina.


Em tempo: Pelo câmbio de sexta-feira, 25 milhões de euros correspondem a R$ 68 milhões.

sábado, 1 de dezembro de 2012

Eike perde para Lemann posição de mais rico do País

Foto de uma das minhas visitas ao Jorge Paulo na sede da AMBEV em São Paulo
 
Eike Batista deixou de ser a pessoa mais rica do Brasil depois que as ações de suas empresas despencaram, entregando o título para o acionista da Anheuser- Busch InBev NV, Jorge Paulo Lemann. A fortuna de Eike, agora soma US$ 18,6 bilhões, tendo perdido quase metade do valor desde o fim de março, segundo o Índice de Bilionários da Bloomberg. Lemann comanda uma fortuna de US$ 18,9 bilhões, ele é o maior acionista individual  da AB InBev, a maior fabricante de cerveja do mundo, é dono também da AMBEV, Lojas Americanas, das lojas virtuais Submarino, Americanas.com, Ingresso.com, do canal de televendas Shoptime; da São Carlos Empreendimentos Imobiliários e da ALL Logistica. Jorge Paulo Lemann também é o maior acionista da rede mundial de fast-food Burger King e possui uma fatia de 8,3% do capital da CSX, uma das maiores ferrovias dos Estados Unidos.

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

2ª Conferência sobre Desenvolvimento Sustentável é sucesso total

2ª Conferência sobre Desenvolvimento Sustentável gerou reflexões sobre o tema sustentabilidade em sua forma plena
O tema sustentabilidade entrou na pauta de políticos, acadêmicos, empresários e civis na tarde da última sexta-feira, 23 de novembro
Desenvolver uma consciência sustentável entre empresários e comunidade civil é um dos objetivos da 2ª Conferência sobre Desenvolvimento Sustentável, organizada pelo WXC Banco de Negócios. O evento, que aconteceu nesta sexta-feira (23), no Instituto Metodista Granbery, reuniu representantes políticos, acadêmicos, empresários e interessados no assunto, em um debate que foi além das aparências.
Estiveram presentes autoridades como o deputado federal, Marcus Pestana, o secretário de planejamento e desenvolvimento econômico da PJF, André Zuchi, o assessor de desenvolvimento sustentável do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), Carlos Fernando Vianna, o diretor do núcleo de sustentabilidade da Associação das Nações Unidas do Brasil (Anubra), Rodrigo Hajjar e o professor e coordenador da faculdade de economia da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Dr. Lourival Batista de Oliveira Júnior.
O evento foi dividido em painéis. Na parte da manhã foram apresentados três painéis e na parte da tarde um painel e um debate que finalizou a conferência. Segundo a reitora do Instituto Granbery, Elaine Lima de Oliveira, o local escolhido para a realização deste encontro não poderia ter sido outro: “Muito além de cuidar da natureza, a sustentabilidade passa pela educação. Educar bem é o primeiro passo para conseguirmos um mundo melhor”.
Para o idealizador do evento, William Xavier de Carvalho, o propósito do fórum, tanto na primeira edição da conferência quanto na segunda, foi reavivar o tema da sustentabilidade para empresas, empresários e sociedade em geral. “O que foi discutido aqui hoje foram soluções sustentáveis no âmbito nacional e municipal que dá um novo horizonte para quem teve a oportunidade de acompanhar os debates. Acredito que o evento mais uma vez contribui bastante para essa visão sustentável” afirma o organizador.
O primeiro painel, apresentado pelo representante do BDMG, Carlos Fernando Vianna, teve como tema “O BDMG e seu papel no desenvolvimento da Economia Verde” e mostrou que existem instituições que investem na sustentabilidade. O Banco se apresentou como instrumento motivador para empresas que anseiam se tornar sustentáveis, refletindo essa ação positivamente no mercado em que atua.
O segundo painel foi ministrado pelo deputado federal, Marcus Pestana, que trabalhou o tema “O desenvolvimento sustentável, economia verde e ação parlamentar”. Conforme o político, as ações sustentáveis sugerem pensamentos globais e ações locais, sobretudo destacando atitudes de tolerância. “Para sairmos do pensamento sustentável e colocá-lo em prática é preciso que as pessoas, principalmente os representantes políticos e empresariais, entendam que os interesses da coletividade tem que estar acima de seus desejos e vontades”, afirma o deputado.
WXC e o Deputado Federal Marcus Pestana
 
O terceiro painel foi voltado para a apresentação da empresa Essencis, que está se instalando em Juiz de Fora, no distrito de Paula Lima, de modo a despertar nos participantes uma percepção de valor, através da sustentabilidade. Atraída pelo desenvolvimento industrial da cidade, a empresa atua em soluções sustentáveis, em sua maioria na busca pela transformação de resíduos novamente em matéria prima. Seus trabalhos foram expostos pelos representantes da empresa, Fabiano Vale de Souza, gerente de inovação e melhoria contínua; Ângelo Gondim, gerente comercial; Sílvio César Costa Júnior, coordenador comercial.
 
225 participantes presentes
No turno da tarde, a conferência se iniciou com o painel ministrado pelo professor Dr. Lourival Batista de Oliveira Júnior, que trabalhou o tema “Perspectivas de desenvolvimento sustentável para a Mata Mineira”. O professor destacou que não adianta a sociedade contar com muito capital humano, se não possui capital social para complementar. “O capital humano é a formação que o indivíduo adquire no passar do tempo, já o capital social é o que faz o indivíduo agir na coletividade e entender que suas ações impactam na vida do outro”, afirma.


 
Por fim, fechando o evento, foi realizado um debate mediado pelos participantes do evento André Zuchi, Dr. Lourival e Sílvio Júnior. A pergunta que orientou o debate foi “O que podemos fazer hoje para ser um bom exemplo amanhã?”. O secretário nesta fase apresentou trabalhos que estão sendo desempenhados pela Prefeitura Municipal e apontou que a cidade está no caminho certo: “provavelmente daqui a três ou quatro anos colheremos os frutos que plantamos”. Já o professor da UFJF e o coordenador comercial da Essencis ressaltaram a importância das ações com um mesmo propósito e em coletividade.
 
 

 

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Privatize já!

Você foi um dos otários que acreditou no potencial da Petrossauro e investiu por FGTS em suas ações? Acreditou que Dilma é pragmática e boa gestora? Então toma! PETR4 já está abaixo de R$ 19. Doeu? Então repete comigo: privatize já!

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Segunda edição da Conferência sobre Desenvolvimento Sustentável

 
 
A 2ª Conferência sobre Desenvolvimento Sustentável já tem data marcada. Após o sucesso da primeira edição, em dezembro de 2011, o tema deste ano será "Construindo Caminhos para a Sustentabilidade" e suas respectivas abordagens sociais, econômicas, ambientais e culturais. A Conferência será realizada sexta-feira, 23 de novembro, no Instituto Metodista Granbery, das 8h às 18h.

A Conferência configura-se como um dos mais representativos eventos sobre sustentabilidade da Zona da Mata mineira e conta com a participação de renomados especialistas, executivos, lideranças e autoridades nacionais e internacionais do setor. Seus objetivos norteiam-se por debater a abordagem ambiental e sua interatividade com os aspectos políticos, econômicos, sociais e culturais, repensando sua força transformadora para gerar a paz e o desenvolvimento sustentável. A proposta é a consolidação da Conferência como agente de transformação e conscientização para as questões do Meio Ambiente e Responsabilidade Social.

Segundo William Xavier, responsável pelo evento, o mesmo “constitui-se em um fórum de debate inovador, que visa a fortalecer o turismo, cada vez mais, como um agente importante na ótica de valorização do território, do recurso ambiental e cultural, do conhecimento local, produtos tradicionais e métodos de produção”.

Inscrições vão até dia 22 de novembro
As inscrições podem ser feitas até a véspera do evento (22 de novembro, quinta-feira) no site da Conferência. O investimento é de R$50. O perfil dos participantes é bem amplo: pessoas de ambos os sexos, com idade entre 25 e 60 anos; empresários, presidentes e executivos de empresas dos mais diversos setores; gerentes, diretores, supervisores que atuam ativamente nas decisões de suas empresas; e profissionais de administração, economia e marketing, e universitários.

Outras informações:
http://sustentabilidadejf.com.br/
Ou pelos telefones:32- 9948-6361 / 32-3084-3479
Assessoria de Imprensa: ETC Comunicação – (32) 3212-0680

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Deputado Marcus Pestana fará palestra na 2º Conferência sobre Desenvolvimento Sustentável


O deputado federal Marcus Pestana fará a palestra “O Desenvolvimento Sustentável, Economia Verde e a Ação Parlamentar” às 10 horas no dia 23 de novembro, na 2º Conferência sobre Desenvolvimento Sustentável que acontece no Instituto Granbery. Conhecimento, informação, emoção, atualização, debates, discussões, participação, intercâmbio. A 2º Conferência sobre Desenvolvimento Sustentável é uma oportunidade para gestores de responsabilidade socioambiental de empresas, acadêmicos, pessoas físicas e jurídicas, operadoras, agências, gestores e técnicos de turismo promover a construção de um mundo melhor, com responsabilidade ambiental, social e cultural.

Click na imagem para ver ampliado

terça-feira, 6 de novembro de 2012

O resto é o resto

Por J.R. GUZZO
 
Nada mais natural que depois de uma eleição para prefeitos e vereadores, como a de agora ou para governadores, deputados e presidente, como se fará daqui a dois anos, cada um diga o que bem entender sobre o verdadeiro significado do que aconteceu, com os costumeiros cálculos para estabelecer “quem ganhou e quem perdeu”; deveria ser uma tarefa bem simples concluir que ganhou quem teve mais votos e perdeu quem teve menos, mas esse debate é um velho hábito nacional, e não vai mudar. Outra coisa, muito diferente, é acreditar naquilo que se diz.
Trata-se de uma liberdade de duas mãos: cada um fala o que quiser e, em compensação, cada um entende o que quiser daquilo que foi falado. Na recém-terminada eleição municipal de 2012, como de costume, não ficou claro, nem vai ficar, quanta atenção o público deveria realmente prestar a toda essa conversa que está ouvindo agora. É certo, desde já, que está ouvindo coisas que não fazem nenhum sentido — e, por isso mesmo, provavelmente não perderia nada se prestasse o mínimo de atenção a elas.
A fórmula é sempre a mesma. Cientistas políticos pescados em alguma universidade ou instituto superior disso ou daquilo, aparecem de repente nos meios de comunicação para explicar, depois de encerrada a batalha, como, por que e por quem ela foi ganha ou perdida. É uma estranha ciência, essa, que, em vez de lidar com fatos comprovados, lida com opiniões. Na anatomia, por exemplo, está dito que o homem tem dois pulmões: não pode haver outra “opinião” quanto a isso. Na ciência política pode. Juntam-se a esses cientistas os políticos propriamente ditos, os comentaristas da imprensa e mais uma porção de gente, e de tudo o que dizem resulta uma salada que a mídia serve ao público como se estivesse transmitindo ao vivo o Sermão da Montanha.
Uma demonstração clara desse tumulto mental é a conclusão, por parte de muitas cabeças coroadas do mundo político, de que a vitória pessoal do ex-presidente Lula na eleição de São Paulo, onde levou para a prefeitura uma nulidade eleitoral que ninguém conhecia três meses atrás, apagou as condenações que seu partido e seu governo receberam no julgamento do mensalão. Está na cara que o resultado não apagou nem acendeu nada, pois eleição não é feita para separar o certo do errado, nem para decidir se houve ou não houve um crime ─ serve, unicamente, para escolher quem vai governar.
Dizer o que está certo ou errado é tarefa exclusiva da Justiça; no caso, o STF já decidiu que foi cometida no governo Lula uma catarata de crimes, sobretudo de corrupção. Não há, simplesmente, como mudar isso. A Justiça pode funcionar muito mal no Brasil, mas é o único meio que se conhece para resolver quem tem razão ─ assim como eleição é o único meio que se conhece para escolher governos.
Não foi o “povo brasileiro”, além disso, quem “absolveu” o PT─ ou concorda quando o partido diz que seus chefes são “prisioneiros políticos” condenados por um “tribunal de exceção”, e não por corromperem e serem corrompidos. É curioso, aliás, como os políticos deste país ficam à vontade para falar em “povo brasileiro”. O PT ganhou esta última eleição em 10% dos municípios. E os eleitores dos outros 90%, com 80% do eleitorado, que povo seriam? Esquimós? É dado como um fato científico, também, que Lula foi o maior ganhador da eleição, por causa do resultado em São Paulo. Por que isso? Porque ele próprio, o PT e outros tantos vinham dizendo, desde o começo, que só o município de São Paulo, com pouco mais de 5% dos eleitores brasileiros, importava; o resto era apenas o resto.
De tanto repetirem isso, virou verdade. Mas é falso: não dá para dizer que não houve eleição em Salvador ou Fortaleza, no Recife, em Belo Horizonte e Porto Alegre, onde o PT apresentou candidatos com pleno apoio de Lula e da presidente Dilma Rousseff, e perdeu em todas ─ nas três últimas, inclusive, não sobreviveu nem ao primeiro turno. No mapa mental de Lula é como se nenhuma dessas cidades estivesse em território brasileiro; o Brasil, em sua geografia, começa e acaba em São Paulo. Cinco das principais capitais brasileiras, por esse modo de medir as coisas, são tratadas como se ficassem em Marte.
O que Lula e seu partido fizeram foi construir a ideia de que São Paulo, sozinha, vale mais que todo o restante do Brasil somado ─ e nisso, realmente, tiveram sucesso, pois nove entre dez “profissionais” da política dizem mais ou menos a mesma coisa. Assim é, se lhes parece. Mas o público não tem a menor obrigação de acreditar no que estão dizendo.
 
* PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA DE VEJA

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Anglo American patrocina Conferência sobre Desenvolvimento Sustentável em Juiz de Fora


O grupo Anglo American, acaba de confirmar sua participação como patrocinador Ouro da 2º Conferência sobre Desenvolvimento Sustentável, que será realizada no dia 23 de novembro no Instituto Granbery em Juiz de Fora. Criada em 1917 na Africa do Sul, a Anglo American é um dos maiores grupos em mineração e recursos naturais do mundo. Mantém operações na África, Europa, América do Sul e do Norte, Austrália e Ásia. Gera cerca de 150 mil empregos. O lucro operacional da Anglo American em 2010 foi de US$ 12 bilhões. No Brasil, o Grupo Anglo American está presente desde 1973. Atualmente, possui três unidades de negócios no País: Níquel, Minério de Ferro e Outros Negócios de Mineração e Indústria, além de uma divisão de Exploração.
 

 

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

O contágio da mediocridade


Por Eugênio Mussak

Eu estava adiantado para a reunião. Tinha pelo menos meia hora, resolvi esperar em algum lugar e, para minha alegria percebi que estava em um bairro cheio de bares e restaurantes. Escolhi um local bonito, com mesas na calçada e visual alegre. Como era metade da tarde, e ainda estava praticamente vazio, pude escolher a mesa mais estratégica e esperei o garçom. Foi quando as coisas começaram a complicar.

Depois de acenar algumas vezes alguém me viu. Um rapaz com cara de queria estar em outro lugar aproximou-se e perguntou: “quer alguma coisa?”. Bem, se eu estava lá, é porque queria ser servido, claro – que pergunta mais boba, pensei. Pedi um suco de laranja e perguntei que tipo de lanche ele podia oferecer. Anotou o pedido do suco e foi buscar o cardápio. Para resumir a história, o lanche estava insosso e gorduroso e o suco tinha gosto de laranja passada. Pedi a conta e a mesma demorou porque a moça do caixa havia saído.

Após essa péssima experiência fui para minha reunião, não sem algum mau humor. Felizmente as pessoas que fui encontrar eram muito agradáveis, o que ajudou a dissolver a bílis que tinha acumulado no sangue. Quando comentei o ocorrido, me explicaram o motivo: “esse lugar antes era legal, mas mudou de dono, e o atual não circula pelo restaurante, fica só no escritório fazendo contas e culpando a equipe pelo resultado ruim”.

Entendi. O novo dono não gostava do negócio, comprou o restaurante pensando só no faturamento, que, aliás, não parava de cair. Eu diria que ele tem um futuro bastante previsível. Esta é uma lei da universal: qualquer ambiente será fortemente influenciado pelo estilo de sua pessoa mais proeminente. Aspectos como preocupação com qualidade, desejo de servir, prontidão, cuidado com os detalhes, não são decisões administrativas, são atributos da cultura. São replicáveis e devem vir de cima, do comando, da liderança. E, claro, seus opostos são igualmente disseminados, epidemicamente.

Saí da reunião no final da tarde, quando os bares da região começam fervilhar nas happy hours. Gente bonita e alegre circulando, colegas conversando, casais se aproximando, super-heróis corporativos revelando suas identidades secretas. As melhores mesas começavam a ser disputadas em todos os lugares. Menos naquele bar, onde a mediocridade contagiosa de seu gerente tinha se impregnado em todo o ambiente, instalando a doença do fracasso crônico. Se o seu time não está desempenhando como você acha que deveria, reflita se seu comportamento no comando tem sido o melhor. A conduta do líder diz muito sobre a performance da equipe e do negócio.

Texto publicado sob licença da revista Você s/a, Editora Abril.

Todos os direitos reservados. Visite o site da revista: www.vocesa.com.br

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

2ºConferência sobre Desenvolvimento Sustentável

A CONFERÊNCIA
A 2º Conferência sobre Desenvolvimento Sustentável configura-se como um dos mais representativos eventos sobre sustentabilidade da Zona da Mata de Minas Gerais, que conta com a participação de renomados especialistas, executivos, lideranças e autoridades em desenvolvimento sustentável nacionais e internacionais.
O tema este ano será “Construindo Caminhos para a Sustentabilidade” e suas respectivas abordagens sociais, econômicas, ambientais e culturais.
OBJETIVO
Debater a abordagem ambiental e sua interatividade com os aspectos políticos, econômicos, sociais e culturais, repensando sua força transformadora para gerar a paz e o desenvolvimento sustentável. Constitui-se em um fórum de debate inovador, que visa a fortalecer o turismo cada vez mais, como um agente importante na ótica de valorização do território, do recurso ambiental e cultural, do conhecimento local, produtos tradicionais e métodos de produção.
A proposta é a consolidação da Conferência como evento e agente de transformação e conscientização para as questões do Meio Ambiente e Responsabilidade Social. Desta forma, a Conferência 2012 apresenta-se como uma excelente oportunidade de promoção da imagem institucional de sua organização junto à população, aos órgãos públicos, aos setores industriais, econômicos, financeiros, culturais, sociais e à imprensa local, estadual e nacional.
A QUEM SE DESTINA
Conhecimento, informação, emoção, atualização, debates, discussões, participação, intercâmbio. A 2º Conferência sobre Desenvolvimento Sustentável é uma oportunidade para gestores de responsabilidade socioambiental de empresas, acadêmicos, pessoas físicas e jurídicas, operadoras, agências, gestores e técnicos de turismo promover a construção de um mundo melhor, com responsabilidade ambiental, social e cultural.  
Estimativa de público: Em torno de 450 participantes.
 
Perfil dos Participantes:
 
§ Ambos os sexos;
§ Com idade entre 25 e 60 anos;
§ Pertencentes às classes A e B;
§ Empresários, Presidentes e executivos de empresas dos mais diversos setores
§ Gerentes, diretores, supervisores que atuam ativamente nas decisões de suas empresas;
§ Profissionais de administração, economia e marketing, universitários
 
Data: 23 de novembro de 2012 (Sexta-Feira)
Horário: Das 08h00 às 18h00
Local: Instituto Granbery - Juiz de Fora - MG
 
 
 
Realização:

 

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Um hipócrita de carteirinha acusa o Supremo de hipocrisia

 
Passados 15 anos, o entrevistado incorporou o que Jânio tinha de mais detestável, enquadrou-se no figurino que atribuiu equivocadamente a FHC e faz o que pode para tornar o Congresso mais cafajeste do que era em 1997. O farsante que agora acusa o STF de hipocrisia é um perfeito hipócrita. Mas este talvez hoje seja um dos seus traços menos repulsivos. Os outros são muito piores.
 
 

Fiel ao script ditado pela máscara da vez, o entrevistado caprichou na pose de campeão da ética e da modernidade, pronto para erradicar a corrupção, o populismo e outras pragas que sempre infestaram a política brasileira. O vídeo mostra o que Lula disse sobre Jânio Quadros, FHC e o Congresso. “Enquanto o povo gostar de políticos como o Jânio, nós não saímos do atraso”, começa a discurseira.
 
Confira três trechos:
SOBRE JÂNIO: “Sabe, o populista barato, o autoritário, o que acha que as pessoas tem que ter um chefe que mande, que dê ordem, que use a chibata, sabe, que não tem respeito pelas pessoas, que grita com o jornalista, que ofende os adversários… Eu, pela minha formação política, jamais me prestaria a ser um político desse tipo”.

SOBRE FERNANDO HENRIQUE: “Quando é que a pessoa começa a ficar ditador? É quando a pessoa se sente superior aos demais…sabe, quando a pessoa se sente superior às instituições, às organizações da sociedade civil, quando a pessoa começa a entender que não precisa ouvir mais ninguém, quando a pessoa só tem boca, não tem ouvido, a pessoa começa a ficar com atitude de ditador”.

SOBRE O CONGRESSO: “Eu acho que o parlamento brasileiro funciona como uma espécie de bolsa de valores. A verdade é que as pessoas de boa índole, as pessoas sérias, as pessoas comprometida com as suas concepções ideológica são minoritárias no Congresso. Aquilo é um balcão de negócio”.

sábado, 20 de outubro de 2012

A corrente do bem é maior, Juiz de Fora não quer esperar


Outro dia li um post escrito por um jornalista em um grupo de debate no Facebook, não me lembro se era no “Renova Juiz de Fora” ou outro qualquer. Só me lembro que esse jornalista escreveu pedindo “respeito e consideração” e dizendo que não tinha pretensão de ser “protagonista” no debate politico. Até ai tudo bem. Publiquei um post recentemente e fiquei sabendo que o mesmo jornalista estava tripudiando em cima de mim, pelo fato da minha simpatia pelo regime monárquico parlamentarista. Citou até o livro “1822” do Laurentino Gomes, que eu particularmente acho fraquinho. Eu prefiro ler os do Murilo de Carvalho. Esse pessoal tem que aprender antes de pedir respeito para si próprio, a respeitar primeiro os outros. Sou monarquista com muito orgulho e não escondo isso de ninguém. Ele fala em “plebiscito”. Não me lembro de estar discutindo plebiscito ou em uma campanha para mudança de regime no Brasil. O que está sendo discutido nesses últimos meses, é o futuro de Juiz de Fora nos próximos 4 anos. Mas eu entendo, o que realmente o deixa enfezado é o fato de que não consegue quebrar a lógica com a qual opero, não consegue, em suma, é articular um contra-argumento. Então prefere sair escrevendo bobagens. Esses militantes da Margarida até tentam me arrastar para a baixaria, mas eu não vou. No esgoto, eles ganham. Na língua pátria, ganho eu.

A corrente do bem é maior. Juiz de Fora não que esperar. E só pra reforçar, eu caminho com BRUNO. Agora é 15!!!

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

A virada que o Brasil precisa



O economista brasileiro Marcos Troyjo, diretor do BRICLab, núcleo dedicado ao estudo dos Brics na Universidade de Columbia, diz que o maior desafio da economia brasileira é mudar o seu DNA de país exportador de produtos de baixo valor agregado para se tornar líder em inovação. Para ele, está faltando um plano estratégico para que o país enfrente o novo cenário da desglobalização. Segundo Troyjo, para conseguir a virada necessária, o Brasil precisa investir mais em ciência, educação e tecnologia. Também precisa voltar a debater o interesse nacional, conceito que é pouco claro para os brasileiros, mas muito concreto em economias como a da China.

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Um Imperador com coração de Presidente

Observem as palavras de Érico Veríssimo sobre  Dom Pedro II. Que acham? Faz jus a figura do imperador?

"A América Latina nunca possuiu um presidente mais democrático do que o segundo imperador do Brasil. Pedro II costumava conceder audiência públicas; trocava apertos de mãos com o homem da rua; conferia títulos e condecorações a artistas, cientistas e letrados, encorajou homens com Pasteur e Graham Bell; estudou hebraico e traduziu para o português poemas de Whittier, o poeta americano; apreciava viajar pela Europa, onde visitava museus e galerias de arte, gozando ao mesmo tempo de muitas oportunidades de encontrar e fazer amizades com celebridades [...] Pedro II por sorte não herdara, com o trono, as paixões violentas e a falta de equilíbrio do pai, deu ao país que governava quase cinquenta anos de progresso e paz interna. Desempenhava o papel moderador junto aos partidos políticos brasileiros; era uma espécie de “quebra-mar de algodão” contra o qual as ondas das paixões sectárias morriam inofensivas. Deu à nação muitas escolas, estimulou a imigração, desenvolveu a frota mercante brasileira e tentou organizar a marinha. Quinze anos depois que assumiu o governo, o Brasil obteve suas primeiras ferrovias."

 


VERISSIMO, Érico. Breve história da Literatura Brasileira. Tradução: Maria da Glória Bordini – 3 ed. – São Paulo: Globo. 1996.